Bloqueio botao direito mouse

sexta-feira, 9 de maio de 2008

CHÁS ESPECIAIS


Presente no dia-a-dia de reis e imperadores, o chá sempre foi considerado uma bebida muito mais sofisticada que o café, descoberto anos mais tarde. Muito ligado aos hábitos da aristocracia inglesa, o líquido extraído da infusão das tenras folhas da Camellia sinensis pode ser facilmente comparado à complexidade do vinho. Assim como este apresenta diferentes aromas e sabores dependendo do terroir em que é plantado, da safra em que é colhido e dos processos pelos quais passam durante sua produção. Processos estes que dão origem ao chá verde (não fermentado), ao preto (cujas folhas são fermentadas), ao oolong (com fermentação média), ao defumado e ao branco (cujas folhas são colhidas ainda quando broto, momento em que possuem uma fina penugem branca).

Cada qual podendo resultar em chás de altíssima qualidade dentro de sua categoria. Um dos especialistas mais respeitados nesse setor é o degustador alemão Thomas Holz, da Tee Gschwendner, que pode ser comparado ao crítico de vinho norte-americano Robert Parker. Todos anos, ele percorre as principais plantações de Camellia sinensis na China, Japão, Índia e Indonésia para descobrir onde estão os melhores chás da temporada, sendo que sua opinião pode jogar o preço da matéria-prima às alturas. Foi o que aconteceu este ano com o Gyokuro Kimigayo, produzido a 700 metros de altitude, na base do Monte Fuji, na cidade de Aichi, a oeste do Japão.

Com sabor complexo e aroma de amêndoas verdes, nozes tostadas e um delicado toque doce – resultado da maior concentração de clorofila obtida com a cobertura das folhas nas três semanas que antecederam a colheita -, este chá verde pode ser considerado hoje um dos mais caros do mundo. Tanto que a porção de 20 gramas será vendida a R$ 350,00 na Loja do Chá, em São Paulo. Para se ter uma idéia, 50 gramas do Gyokuro comercializado na temporada anterior valia R$ 105,00. A loja, especializada na bebida, ainda apresenta outras raridades, como o Yin Zhen – chá branco produzido no sudeste da China, na província de Fujian, com aroma de pêssegos maduros, nozes e toques de orquídeas, e boca redonda, com acento floral e toques de amêndoas – comercializado a granel (50 gr, R$ 110,00) ou pronto para beber (R$ 20,00 a xícara).

O Formosa Fancy Superior Choice Oolong (50 gr, R$ 108,00) e o Shincha Shimoyana First Flush, chá verde também produzido em Aichi, no Japão, mas com as primeiras folhas colhidas no ano, cuja porção de 50 gramas sai por R$ 134,00. Mas Carla Saueressig, representante brasileira da marca alemã e proprietária da Loja do Chá avisa. “Estou para receber o Shincha Kirisakura FF, que é ainda mais especial que este.” Atenta a este mercado ainda pouco explorado no Brasil, a doceira Pati Piva também montou um cardápio de chás especiais para servir em sua loja na Daslu. No menu há chás importados das marcas Mariage Frêres, Le Palais de Thés e T’Cha, onde destaca-se o Pèrles de Jasmim Imperial, feito para encantar o paladar, o nariz e os olhos. Durante sua elaboração, os primeiros brotos da Camellia sinensis são colocados para secar por cinco dias com flores frescas de jasmim. O processo, que é finalizado com a formatação manual das folhas em mini-pérolas, permite que o chá absorva naturalmente o perfume do jasmim. Assim, quando as pérolas de chá entram em contato com a água quente, elas se abrem gradualmente, liberando aroma e cor. O bule deste chá é servido por R$ 18,00.


Mas na categoria de chás performáticos, as surpresas podem ser ainda maiores. Como se fossem origamis, as folhas de chá são trabalhadas por criativas e cuidadosas artesãs chinesas e indianas para que ao serem postas em infusão, se abram em forma de dragão, coração ou flor. Um dos mais charmosos da loja francesa Mariage Frères é o Sweetheart, um coração feito com folhas de chá branco que, quando submerso, se abre em uma flor, com um colar de jasmins. O vidro, com nove unidades do coração custa 48 euros. Vale lembrar que, assim como os demais, a validade desses chás é de dois anos e meio. Após esse período, as folhas começam a perder suas propriedades, sabores e aromas.


Um comentário:

Quinta Essencia disse...

oi querido luis henrique.tu es o maximo ! teu blog esta lindo cada vez mais chique com informacoes muito boas...esta do cha mesmo.....ta muito interessante.beijao parabens querido !

heloisa helena