Bloqueio botao direito mouse

terça-feira, 15 de março de 2011

ARTESANATO COM PRECISÃO SUÍÇA


A relojoaria suíça Parmigiani Fleurier vende peças exclusivas de até US$ 4 milhões e enxerga o Brasil como o seu principal mercado na América Latina.

Precisa um relógio custar mais de US$ 3 milhões? Se ele for superexclusivo, a ponto de ninguém mais ter um modelo exatamente igual, manufaturado à mão por experts do ramo especialmente para um único cliente, sim. É com esse marketing que a marca suíça Parmigiani Fleurier, uma balzaquiana de 34 aninhos em meio a cultuadas marcas centenárias, se consolidou no seleto mercado mundial de luxo.

Tudo na história e nos produtos da Parmigiani Fleurier evoca a nobreza, a exclusividade e a riqueza.

Gerida, atualmente, pela fundação da família mais rica da suíça, os Sandoz – proprietária da empresa farmacêutica de mesmo nome, líder mundial na produção de remédios genéricos e que fatura cerca de US$ 7,5 bilhões por ano, a empresa foi fundada em 1976 pelo relojoeiro suíço Michel Parmigiani, discípulo de Marcel Jean-Richard (descendente de uma renomada família de relojoeiros).


Produzidas artesanalmente, as peças da grife levam em média sete meses para ficar prontas. Os inúmeros detalhes e refinamento de cada componente – muitos deles pedras e metais preciosos, ajudam a entender o conceito de exclusivo e o porquê de seus altos preços.

Seu CEO, Jean-Marc Jacot, que esteve pela primeira vez no País, justifica que os valores refletem a elegância daqueles que têm o privilégio de usar um Parmigiani Fleurier. “Nossos preços vão de US$ 8 mil a US$ 4 milhões, mas a média fica em torno de US$ 60 mil”, diz Jacot.

A tecnologia suíça, aliada à delicadeza do trabalho de seus artesãos, faz da marca uma das mais desejadas do mundo. Somente cinco mil relógios são produzidos anualmente, para poucos usarem

As peças acima de US$ 1 milhão são as feitas por encomenda e customizadas conforme o desejo de seu comprador. A empresa comporta cinco fábricas que dividem o processo de produção entre seus 550 funcionários. Sua principal concorrente é a também suíça Patek Philippe criada em 1851.

“A Rolex não está no mesmo nicho de mercado, já que produz cerca de um milhão de relógios ao ano”, afirma Jacot. A produção anual da Parmigiani é de somente cinco mil relógios.

Possui representações em 70 países e conta com uma rede de 250 pontos de venda espalhados pelo mundo, para fazer chegar suas peças nos pulsos de seus seletos consumidores. Reconhecida como um centro de excelência na fabricação de relógios, a Parmigiani empresta não só sua elegância aos seus consumidores seletos, mas também a sua mecânica de alta precisão a outros clientes da relojoaria (como os também suíços Corum e Richard Mille).

“Somos uma empresa completamente verticalizada. Tudo é feito lá dentro, exceto as pulseiras de couro, que são da Hermès”, diz Jacot.

E quem seriam os privilegiados comprados de relógios da sofisticada marca suíça? Entre os principais clientes da Parmigiani no mundo estão grandes colecionadores endinheirados e personalidades como o cultuado estilista Giorgio Armani e o monarca mais rico do mundo, o rei Bhumibol Adulyadej, da Tailândia – que acabou de receber em seu palácio um exemplar Parmigiani de cerca de US$ 3,8 milhões.

Website: www.parmigiani.ch

Fonte:
IstoÉ Dinheiro: edição 682

7 comentários:

Marcelo Pereira disse...

Estes são relógios de classe, feitos para quem tem bom gosto.

Luciana disse...

Super sofisticados, amo relógios diferenciados!!!!!

José Carlos Santos disse...

Com certeza, não são como os "rolex" que vemos no pulso de um monte de emergentes sem classe!

Nicole Pozza disse...

AMO relógios!

Luxo disse...

Muito bom mesmo, pelo pouco tempo no mundo da relojoaria em relação as mais tradicionais, já fazem a diferença.
Abraço
Luxo Classe A

Patricia Godoy disse...

Maravilhosoooo!!!!Um Luxo!!!Bjcas Lu querido!!!Sucesso Sempre!!

Thiago disse...

Lindos relogios adorei.... Muito bom gosto!