Bloqueio botao direito mouse

sexta-feira, 25 de março de 2011

AVIAÇÃO EXECUTIVA DOBRA NO BRASIL EM TRÊS ANOS


Queda de 35% no preço dos aviões usados e desvalorização cambial resultam no melhor ano dessa indústria no País

A frota de empresas e pessoas físicas no Brasil aumentou em 652 novas aeronaves no ano passado, o dobro do registrado em 2008, de acordo com dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Ao todo, o País conta hoje com 7.837 aeronaves particulares.

Agilidade e flexibilidade nas viagens a trabalho são as principais razões para empresas e pessoas físicas comprarem uma aeronave, de acordo com revendedores.

A maioria dos proprietários costuma fazer viagens constantes até cidades onde não há rotas diárias. O custo-benefício de não enfrentar a espera por check-in e a fila de embarque nos aeroportos também entra na conta. “Eles precisam chegar e sair rápido de lugares em que nem sempre há voos regulares”, afirma Leonardo Fiuza, diretor comercial da TAM Aviação Executiva.

Os aviões particulares também ganham força entre as companhias que atuam em diversas cidades ao longo do território brasileiro, como varejistas e bancos.

A lista de companhias que contam com aeronaves particulares é extensa, segundo revendedores, empresas como Pernambucanas, Riachuelo, AmBev, Marfrig, Friboi, Petrobras, Brasil Foods, Odebrecht, Vale, Camargo Corrêa, Bradesco e Itaú contam com as facilidades de jatos e helicópteros como meio de transporte para seus executivos.

FROTA PARTICULAR MAIOR QUE A DAS COMPANHIAS AÉREAS

Os números mostram que o crescimento da aviação executiva no País é uma realidade. Entre 2008 e 2010, os novos registros de aeronaves TPP – prefixo usado para os modelos de uso privado (que vão de helicópteros a jatos) – cresceram 76%, segundo dados da Agência Anac. Entre 2009 e 2010, a expansão foi um pouco menor, mas ainda impõe respeito: de 50%.

Somente no ano passado, 652 aeronaves foram registradas para uso privado no País. O número de 2010 já supera o total de aeronaves das tradicionais companhias aéreas brasileiras, cuja frota é de 619 aviões, segundo a Anac.

As perspectivas para o mercado brasileiro no médio prazo também são otimistas. Segundo representantes do setor, a indústria mundial de aeronaves deve produzir cerca de 11 mil aviões nos próximos 10 anos, sendo que 4% da demanda mundial deve ser concentrada no Brasil.

Quando consideradas as aeronaves das companhias de táxi aéreo e fretadas, o crescimento da aviação executiva é ainda maior: em 2010, foram 75 novos aviões registrados, com frota total de 1534 aeronaves.

Para este ano, as revendedoras estão otimistas, o mercado retomou o crescimento no fim do ano para cá, no período pós-eleição.

IMPORTAÇÃO DE MODELOS USADOS

A compra de aeronaves por brasileiros ficou mais fácil nos últimos anos pela desvalorização do dólar, moeda que baliza os contratos, e por reflexos da crise econômica internacional. Em uma pesquisa no site de classificados FlightMarket é possível encontrar 90 modelos anunciados, com preços entre R$ 105 mil e R$ 8,1 milhões.

Os modelos usados ganharam relevância no setor brasileiro. Muitas empresas estrangeiras tiveram que se desfazer de ativos para enfrentar a crise e passaram a oferecer aviões seminovos por preços competitivos.

UMA ALTERNATIVA

Para os empresários que não dispõem de recursos para comprar uma aeronave – ou não consideram a compra vantajosa no plano de negócios -, o mercado oferece outras opções à aviação comercial: os voos fretados.

O perfil do cliente do fretado é o mesmo dos compradores de aviões: empresas que querem comodidade e agilidade nas viagens de seus executivos, a diferença é que essas companhias, em geral, não estão dispostas a imobilizar recursos para comprar um avião.

Os preços dos fretamentos foram favorecidos pela queda do dólar e do barril de petróleo no ano passado. O custo para fretar um jato é de cerca de R$ 15 por quilômetro.

Fonte: IG Economia

Vídeo: Bombardier Global 5000

6 comentários:

Ana Paula Seabra disse...

Muito bom....

Iza Cristina B Lima disse...

Bom dia !!! perfeito isso...

Frederico disse...

O Brasil está se tornando uma potência na aviação executiva.

Marketing disse...

O Brasil está se tornando com isso o foco da aviação, com bons negócios sendo realizados.
Como você já foi piloto de aeronaves, conhece bem este mercado.
Sucesso sempre...

Daniel Fernandes disse...

Hoje se compra um avião como se fosse um carro para comodidades dos mais ricos.

Wanderley Batista disse...

Negócios não podem esperar, como a aviação comercial está vivendo um caos, optar pelo seu próprio jatinho tem suas vantagens.