Bloqueio botao direito mouse

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

EDIÇÃO LIMITADA MAHATMA GANDHI - MONTBLANC


Uma homenagem ao Embaixador da não-violência e Líder da Independência da Índia

Com a Edição Limitada Mahatma Gandhi a Montblanc homenageia o lendário ativista indiano, que defendia a não-violência, a paz e a unidade em favor de uma nação indiana independente. Gandhi foi assassinado em 30 de janeiro de 1948 e, logo após seu falecimento, Lord Mountbatten, o último vice-rei britânico da Índia, exaltou a influência do ativista, igualando-o a Buda e a Jesus Cristo. George Marshall, Secretário de Estado dos Estados Unidos, descreveu Gandhi como “portavoz da consciência de toda a humanidade”.


Dois ilustres instrumentos de escrita - Edição Limitada Mahatma Gandhi 241 e Edição Mahatma Gandhi Memorial 3000 - foram criadas para reverenciar a sabedoria, a visão e a energia sem limites de Mahatma Gandhi por sua brava luta para libertar seu povo.


Grande Alma


Assim como o autor americano Mark Twain observou, a Índia é um “país com cem nações e cem línguas, com mil religiões e dois milhões de deuses”. Gandhi, entretanto, unificou os 350 milhões de indianos de então, resistindo à dominação britânica “não com armas, mas com amor e forte resistência”. Batizado como "O Intocável", ele se recusou a visitar os templos que eram proibidos para ele, ficando conhecido como “Mahatma” - “de grande alma” e “um venerado”. Após a II Guerra Mundial, a dominação da Grã-Bretanha se tornou insustentável e, em 14 de agosto de 1947, a independência da Índia e do Paquistão foi declarada.


As Edições Limitadas Mahatma Gandhi engenhosamente recontam a história das três décadas de luta pacífica que o ativista travou para acabar com o domínio britânico na Índia. Motivada com a colossal conquista de Gandhi – incluindo os seus momentos de ações satyagraha – e a pureza de seu estilo de vida isolado, a Montblanc criou um design que revela poeticamente a missão sagrada de Gandhi pela libertação e igualdade.


Edição Limitada Mahatma Gandhi 241


A história da “virada” na luta de Mahatma Ghandi para obter a independência da Índia começa na pena da Edição Limitada Mahatma Gandhi 241. A pena de ouro 18 quilates, banhada em ródio, exibe uma representação complexa gravada a mão sobre Gandhi segurando um pau de bambu, relembrando a infame Marcha do Sal. Tudo começou em julho de 1930. Gandhi acreditava que a luta política na Índia estava intimamente ligada aos “problemas econômicos, sociais e comunitários”. Seus 24 dias de “Salt Satyagraha” temporariamente suspenderam o monopólio britânico de uma das commodities mais valiosas – o sal. A Marcha do Sal fez de Gandhi um “nome global” e conduziu a Grã-Bretanha para representar o Governo da Índia em 1934.

A distância de 241 milhas que Mahatma Gandhi e seus seguidores percorreram a pé durante a Marcha do Sal inspirou o número de reproduções desta notável caneta-tinteiro de ouro branco maciço. Para quebrar o monopólio britânico de produção de roupas, Gandhi solicitou aos indianos que boicotassem a produção estrangeira de têxteis e vestissem roupas simples, feitas em casa. Assim, ao mesmo tempo em que o corpo e a tampa de ouro branco são finamente texturizadas e polidas – e coroadas com a estrela da Montblanc em madrepérola - a opulência da “rainha dos têxteis” é evocada. Os fios de ouro entrelaçados que ornamentam o centro do instrumento de escrita simbolizam o carretel de algodão.

Durante as peregrinações de Gandhi na Índia, iniciada em 1920, os membros do seu Corpo Nacional de Voluntários ensinaram os aldeões como fiar e tecer algodão cru em khadi, com o intuito de promover a autossuficiência na região. Khadi, portanto, tornou-se símbolo da independência da Índia e, enquanto Gandhi fiava algodão todos os dias por meia hora, sem levar em consideração o seu entorno, ele também vestia khadi, mesmo quando se encontrava com King George e Queen Mary no Palácio de Buckingham. Por essa razão, uma roda de fiar se tornou o principal símbolo da Bandeira Nacional da Índia. A bandeira da Índia também está representada na brilhante pedra preciosa amarela alaranjada que enfeita a Edição Limitada Mahatma Gandhi 241 unidades.


Edição Memorial Mahatma Gandhi 3000

Criada nas versões caneta-tinteiro e rollerball, a Edição Memorial Mahatma Gandhi 3000 incorpora os elementos da Edição Limitada Mahatma Gandhi 241. A pena de ouro 18 quilates banhada em ródio exibe uma representação complexa gravada a mão sobre como Gandhi energeticamente começou a Marcha do Sal em julho de 1930. A cor creme laca desta delicada caneta foi esculpida simbolizando khadi, tecido de algodão que Gandhi transformou em um símbolo da libertação indiana. Enquanto a prata de lei 925 envolve a tampa – a qual é coroada pela estrela Montblanc – o corpo da caneta relembra os fios de algodão envoltos no carretel. Uma gota de granada foi fixada sobre o clipe, representando a coragem de Gandhi e a vontade de fazer sacrifícios.


A Edição Limitada de 3000 unidades – em que tanto a caneta-tinteiro como a rollerball foram fabricadas – significam as multidões indianas que foram devotadas ao Embaixador da não-violência, Mahatma Gandhi.



Veja o vídeo:

2 comentários:

FOCUN disse...

A Montblanc sempre homenageando personalidades marcantes da história mundial.
Bela jóia da escrita.

Augusto César disse...

Notei que vc é muito detalhista nas matérias.
Sou colecionador de canetas, e conhecer os lançamentos, saber a sua história e o significado dos nomes é importante.
Parabéns pelo blog.
Forte abraço.