Bloqueio botao direito mouse

domingo, 20 de abril de 2008

LEITURAS COM FOCO NO LUXO


Que existe um público com altíssimo poder de consumo no Brasil todos sabem. Mas, você já se perguntou, afinal, o que lêem essas pessoas endinheiradas em seu tempo livre? Pois existem várias empresas pensando nisto.

O mercado editorial voltado para o público das classes AA e AAA vem crescendo e trazendo novidades prontinhas para ser folheadas. Nos últimos dois anos, duas grandes editoras brasileiras lançaram publicações sobre o luxo: a editora Abril veio com a revista A e a editora Três, com a Isto É Platinum. Ambas surgiram com a mesma estratégia: eram encaminhadas para assinantes escolhidos a dedo e poucos exemplares eram direcionados para bancas de revista de bairros nobres de capitais brasileiras. Depois de um período experimental, as duas tornaram-se bimestrais.


Há revista de luxo para todos os gostos: a respeito de aviões, carros, viagens, jóias e, claro, um dos maiores símbolos de refinamento, barcos. A Revista Náutica, da Grupo 1 Editora, é a mais antiga. Ela completou 26 anos e realiza anualmente a Regata Ilha de Caras e a Grupo 1 Editora também edita as revistas Pesca Esportiva e Mergulho. Denise Godoy, diretora editorial da publicação, explica a realidade brasileira nesse mercado: "no Brasil, notamos que os barcos já ocupam a posição de liderança no desejo de consumo.

Quem tem um barco/iate consegue mostrar poder, glamour, qualidade de vida e, além disso, é um ‘brinquedo’ para ser curtido com a família, ao contrário de outros ‘luxos’ mais individualistas". Com 164 páginas, a revista Perfil Náutico, especializada no mesmo setor, é uma publicação mais jovem: nasceu em 2005. “A idéia surgiu por se perceber que era um mercado em expansão e que possuía apenas um veículo de expressividade”, conta Martha Toledo, editora da revista.

E nesses três anos, o que mudou? “A diferença é que o mercado cresceu bastante e atualmente até as mulheres, que antes não se interessavam pelo assunto, são leitoras. Outra questão é que o número de estaleiros e fabricantes de produtos náuticos nacionais cresceu demais, então temos também um número mais expressivo de anunciantes”, lembra Martha. Globalização da leitura de luxo No Brasil, a internacionalmente famosa loja Daslu já chegou à 33a edição da revista homônima (www.daslu.com.br) e algumas publicações são versões do que nasceu lá fora, como a Vogue Jóias, há 25 anos no mercado na Europa, nos Estados Unidos, na Ásia e no Oriente Médio.

A descrição da Vogue Jóias italiana feita pelo próprio site já conquista os anunciantes: “os objetos de desejo, as gemas mais preciosas, o design de vanguarda, estilos e rituais, ligações com a moda, a arte e o design: porque uma jóia acompanha a evolução do gosto e dos costumes.”

No exterior, as publicações são inúmeras. Alguns exemplos são a alemã Auto Motor und Sport sobre automóveis, as americanas Wallpaper e Style at Home, que falam de decoração e as portuguesas Blue Travel e Blue Wine, que tratam respectivamente de viagens elegantes (coleções de emoções, diz o slogan) e vinhos.

Mas é impossível falar em publicações especializadas em luxo e não mencionar a “bíblia” mundial do assunto, a americana Robb Report, que há 32 anos trata de temas como arte, vinhos, eletrônicos, moda, design, jóias, viagens e acessórios. Segundo Andrew Clayton, diretor de pesquisas da revista, o leitor da Robb Report é um consumidor ativo que procura os melhores serviços e produtos do mundo, “com uma renda média anual de US$1,4 bilhão”, diz. “Na verdade, escrevemos pensando em um milionário que conhece e se interessa por todos os finos detalhes presentes em produtos e serviços de luxo”, completa Clayton.

Mas e a publicidade, como funciona em um veículo tão elitizado? Principalmente porque a estratégia das empresas de luxo não é atingir milhões de pessoas, mas um grupo delimitado de consumidores, escolhido a dedo. “

Normalmente, se os anunciantes venderem um ou dois exemplares de seu produto, sabem que isso já justifica terem comprado aquele espaço em nossa revista”, conclui Andrew.

3 comentários:

Kátia T. Fonseca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kátia T. Fonseca disse...

Importante a observação final de Andrew Clayton, o diretor de pesquisa da bíblia americana sobre o mercado de luxo, a Robb Report! Se está revista já existe no mercado há 32 anos, é sinal que sua conclusão é uma lição corporativa de marketing para os executivos envolvidos com o mercado de luxo!
Kátia T. Fonseca

Marco Aurélio disse...

Parabéns pelo seu blog muito bem feito e com conteúdo.

Abs.

Marco Aurélio Chaves
www.macppg.blogspot.com